sexta-feira, 15 de março de 2013

Nosso Cânone Literário - Romantismo

Jovem Lendo (1776), Jean-Honoré Fragonard

Transposições, substituições e invenções 
O Romantismo foi um movimento - sim, claro! - positivo à nossa literatura; mas, também, negativista. Negativos foram o sentimento religioso e a filosofia espiritualista, contrários ambos ao espírito moderno. Foi negativa, ainda, a exaltação pueril da pátria, encarada como algo portentoso a partir do cenário natural, o que confunde a retidão do juízo. E negativo foi, sobretudo, o indianismo. Por significar o endeusamento de um povo que teve tanta importância em nossa formação quanto portugueses e negros, ainda que se procurou ressaltar como fator decisivo em nossa diferenciação racial e social. Positivo, o nacionalismo dos românticos foi importante para desligar a nossa vida mental da influência portuguesa e nos abrir para outras culturas europeias.

A canção Chega de Saudade foi escrita em meados de 1950, pelos compositores Tom Jobim e Vinícius de Morais, gravada na voz de Elizeth Cardoso acompanhada pelo mestre da Bossa Nova, João Gilberto, no violão. A gravação ficou conhecida como o primeiro registro fonográfico da Bossa Nova, sendo lançada no ano de 1958, no álbum “Canção do Amor Demais” de Elizeth,  recebendo o nome de “batida da bossa nova”.

Um dia romântico
Pela manhã, cheio de forças e pretensões,
não é possível evitar as verdeações de minha terra.
Antes mesmo do queijinho
de leite fresco provar,
quero já em abolições,
ouvir o canário do Tupã cantar.
Vejam que lugar como aqui não há.
Nem lá, nem lá.
Mas, a vida não é só se encantar.
Só cá, só cá?
Socar negros, socar mulheres, socar todos que puderem.
O Governo, que Brasil.
Mas a Ordem e o Progresso não é Igualdade, Fraternidade e Solidariedade.
Vivam os brasis:
do índio americano, do negro africano e do português republicano.
Tarde longa,
de boa prosa com Vieira e Matos Guerra.
Mas, a noite logo chega, e em casa,
ao silêncio do canário e sem o verde da minha flâmula,
recolho-me à insensata solidão do meu pensar.
Lá na frente um Anjo vai me mostrar os morcegos deste quarto
– Salve Augusto!
Meu trevo não tem folhas;
meu trevo nem é da sorte.
Mau me quer, mau me quer, mau me quer.
E se amanhã os sinos dobrarem em minha lembrança?
Ela terá por mim lembranças?
Pena?
Indiferença?
Sou índio, negro e republicano.
Ó minha pátria, mais aguerrida,
pátria amada, Brasil.
Rodrigo Davel, 15 de março de 2013

10 comentários:

  1. Caro amigo

    As palavras
    que semeiam o pensar
    são preciosas.
    Delas nascem sentimentos
    que nos tiram do lugar comum
    e nos fazem sentir
    o perfume
    precioso da vida.

    Olha o céu de manhã.
    Vês como brilha iluminado
    por teus sonhos...

    ResponderExcluir
  2. Primeiro obrigado pelo comentário. O autor romântico sempre tem algum motivo para destilar seu romantismo que parece não ter fim.

    Apareça sempre que puder. Aproveito e desejo um bom final de semana.

    ResponderExcluir
  3. Meu bom amigo
    Tudo o que escreve Rodrigo
    Eu já via assim
    E tem muito a ver
    Com o que Vinicius e Jobim
    Acabaram por escrever

    Poema e canção são
    A alma e a identidade do povo brasileiro, nosso irmão

    ResponderExcluir
  4. Olá, amigo. Boa, noite! È um prazer estar novamente aqui e poder ler seus belos escritos. sua sensibilidade clareza e maturidade em se expor. Parabéns Rodrigo! Obrigada pela carinhosa visita. Andei ausente por problemas de conexção e saúde. Estava com saudades! Bjos e bom domingo.

    ResponderExcluir
  5. Se a tristeza vier por qualquer motivo,
    Evite as sombras que ficaram para trás,
    olhe o caminho a sua frente e siga sempre.
    Assopre o pensamento triste,
    deixe escorrer a última lágrima,
    vá até o final do poço, mas volte renovado.
    Então respire fundo tirando da
    natureza a energia para elevar sua alma.
    E a paz que você procura será encontrada dentro de
    você onde DEUS deixou um pedacinho de si.
    Um abençoado final de Domingo.
    Uma semana na graça e na paz de Jesus.
    Beijos no coração carinhos na sua alma.
    Evanir..Minha mensagem com muito Amor.
    Eu amei ver a vista de vocês no meu blog.
    Agora não pode sumir mais viu? Eu fico triste.

    ResponderExcluir
  6. Muito boa sua análise! Primeira vinda aqui! gostei mto!
    bela poesia! http://opinandoemtudo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Falei dos índios recentemente lá no blog, dessa caricatura que é feita deles, da falta de consideração, de respeito, de valorização do papel deles na sociedade, na narrativa de histórias, nas comemorações, no dia-a-dia.

    Para nós a figura do índio e de seus hábitos, vida a contribuição histórica deles é romântica, lúdica, folclórica, com a falsa impressão de isso ser bom e carinhoso, qd na verdade é pejorativo e lamentável.
    A imagem deles tinha que ser realista, barroca e nos tempos de hoje contemporânea, pois a natureza clama a sabedoria indígena, as pessoas e seu valores sem valor clamam a sabedoria dos pajés, a simplicidade das tribos, o sabor do alimento colhido no pé, os rituais, as lições de caça, a divisão de tarefas, o plantio.

    Nacionalismo, romantismo sem alienação, realismo, poesias, crônicas, criticas, sabedoria para nossa nação \o/

    Bom tê-los de volta!

    ResponderExcluir
  8. Vim retribuir sua visita no meu cantinho...fazia um bom tempo que tinhas se afastado do nosso convívio ...desejo que voltes com força total...bom fim de semana !!!!

    ResponderExcluir
  9. Muito gratificante este cantinho delicioso ,muito bonita a postagem e cativante .Agradeço a visita no meu cantinho ,uma Santa Pascoa um grande abraço deste amigo que ca de longe nunca se esquece de voce

    ResponderExcluir
  10. FELIZ DIA DO BEIJO !!!!!!!!!!!!!!
    BOM DIA !!!!!!!!!!!
    ARQUITETO DE BONS PENSAMENTOS !
    PARABÉNS PELO TALENTO EXPRESSO DE FORMA MAGISTRAL EM CADA PENSAMENTO...
    BJS DE BOM DIA !!!!!

    ResponderExcluir