sexta-feira, 8 de abril de 2011

O Bicho

Vi ontem um bicho
Na imundice do pátio
Catando comida entre os detritos.


Quando achava alguma coisa;
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.


O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.


O bicho, meu Deus, era um homem.
Manuel Bandeira
Rio, 27 de dezembro de 1947

3 comentários:

  1. Fico imensamente feliz em iniciar esta empreitada contigo meu amigo; o desejo era antigo, a motivação é vivenciada; o prazer é inevitável.

    ResponderExcluir
  2. Chegou o tempo de plantar sonhos, meu amigo! Vejamos o que há de nascer. O desejo era recíproco. A motivação: que não acabe! O prazer é inevitável!

    ResponderExcluir
  3. Eu já fiz prova com esse poema!

    ResponderExcluir